Um morador de rua viu sua história de vida mudar após ficar internado por mais de dois meses no Hospital Irmã Dulce, em Praia Grande. Anivando Gonçalvez Pires, de 45 anos, estava há 30 anos longe da família. Ele recebeu alta, na quarta-feira (30), e foi com um irmão para casa, em Terra Boa, no Paraná.

apos-30-anos-morador-de-rua-volta-para-casa-no-paraná

Com a melhora do quadro clínico, o transporte até a cidade de origem do paciente foi viabilizado pela Secretaria de Promoção Social (Sepros). O paciente ainda ganhou  roupas e uma cadeira de rodas do Serviço Social do Irmã Dulce.

Vítima de um sério acidente vascular cerebral, em maio deste ano, Anivando ficou conhecido como “Marcelo” entre amigos com quem convivia, em um estacionamento no bairro Guilhermina, onde também fazia “bicos” em um quiosque.No início de julho ele socorrido por equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), estava inconsciente e com sinais vitais precários.

Com a ajuda de documentos que o morador de rua portava, o Serviço Social do Complexo Hospitalar passou a levantar informações sobre a história do paciente, descobrindo apenas que sua procedência seria do Paraná, mas não havia qualquer contato da família.

 A ajuda de um detetive particular, que ofereceu seus serviços gratuitamente, e a divulgação nas redes sociais foram determinantes na localização de parentes, sendo então apurado que a mãe de Anivando esteve todos estes anos à procura de informações que levassem ao seu paradeiro.

Ele teria fugido de casa quando era adolescente, inconformado com a separação dos pais, não sendo mais visto. Para a responsável pelo Serviço Social do Irmã Dulce, a assistente social Renata Carvalho, o encontro dos familiares do paciente foi tão especial quanto sua recuperação. “Sabíamos que era uma família muito humilde, mas por recear que o paciente não resistisse, nossa equipe se empenhou em convencer os familiares a virem vê-lo, já que seu estado era crítico para suportar uma possível remoção por mais de 9 horas de viagem, ainda que de ambulância. Então, seria uma chance da família reencontrá-lo com vida”.

Fonte: A Tribuna

Pessoa Reencontra família